Artigo exclusivo escrito por:

Dra. Maria Oneide

CRM: 90.693

Em época que o uso das cânulas vem ganhando grande espaço, o que diz o experiente Dr. Arthur Swift sobre o uso de agulhas

No último dia 11 de março de 2020 tive a honra de assistir em São Paulo a aula do cirurgião plástico e speaker da
Merz Dr. Arthur Swift. Tivemos sorte pois este mesmo evento aconteceria em Buenos Aires dois dias depois, mas a pandemia do COVID-19 impediu que alguns médicos tivessem o mesmo privilégio de assistir a tão enriquecedora aula.

O uso de cânula vem ganhando destaque nos dias atuais por estar relacionada a menos risco vascular. A maioria dos casos de complicações que recebo são com uso de agulhas ou cânulas muito finas.

Embora o uso de agulha esteja relacionado com eventos vasculares nas complicações referentes ao uso de ácido
hialurônico, quando bem aplicada (em planos corretos) tem resultado algumas vezes superior ao das cânulas.

A exemplo da correção de afundamento de região temporal. Foi citado inclusive caso de perfuração de têmpora com cânula, onde necessitaram de mais força para chegar ao plano mais profundo sendo deixado produto intracraniano.

Há uma frase muito citada pelo especialista Arthur Swift: “Se você quer ser um bom injetor, sinta-se à vontade com agulha ou cânulas. Se quer ser um grande injetor aprenda usar os dois. Se você sentar para jantar apenas com garfo, boa sorte com a sopa.”

É necessário grande conhecimento anatômico para uso de agulhas e cânulas, particularmente, em uso de agulhas o plano anatômico é fundamental. Ele utiliza agulha 30G e sempre que possível aspira.

De forma brilhante refere que ao usar agulha, a injeção deve ser lenta e atenta à rede vascular próxima da área de injeção. Como exemplo a aplicação em têmpora, deve-se ficar atento à rede supra orbital e supra troclear onde há anastomoses diretas que podem enviar produto para artéria oftálmica levando à cegueira.  

Segundo o médico, pacientes belas são as mais difíceis de tratar. Quando a paciente é bela tem-se 10% de chance de melhorá-las e 90% de piorá-las. A modelo tratada era bela e com pouco produto teve um resultado natural e muito efetivo.  

 Se todos tivéssemos professores que ensinam o uso de agulhas com tanta maestria como fez o Professor Arthur Swift nesta demonstração, certamente não teríamos tantos casos de complicações vasculares que infelizmente atormentam a vida de muitos colegas.